A atuação da osteopatia na pediatria é feita por meio de técnicas de mobilizações específicas e suaves, muito diferente do tratamento para adultos. Permite o equilíbrio das tensões com ênfase nos diferentes tecidos (ossos, articulações, tendões, músculos, fáscias, órgãos) e sobretudo no sistema nervoso autônomo.

 

Quando consultar um osteopata para seu bebê?

  • Torcicolo congênito
  • Plagiocefalia: “síndrome de cabeça plana”
  • Assimetria do crânio e da face
  • Transtornos digestivos: regurgitações (refluxo), cólicas, hérnia de hiato, gases, diarreias, constipações
  • Dificuldades de sucção na amamentação
  • Problemas respiratórios: bronquite, asma, pneumonia
  • Atraso no desenvolvimento: físico ou cognitivo
  • Transtornos de sono e no adormecer: agitação, nervosismo
  • Nos partos com utilização de ventosas, fórceps ou cesariana
  • Transtornos crônicos: otites, canal lacrimal
  • Check-up pós parto.

 

O tratamento osteopático não substitui consultas ao médico especialista em pediatria tampouco à medicação, quando realmente necessária.